Geral

Convênio assegura realização de teste pioneiro para identificação de drogas

O governador Carlos Moisés participou recentemente, do ato que oficializou a realização de exames toxicológicos no local de apreensão de pequenas quantidades de drogas ilícitas em Santa Catarina. A assinatura do convênio entre a Secretaria de Estado da Segurança Pública, o Tribunal de Justiça (TJSC) e o Ministério Público (MPSC) vai permitir um trâmite mais ágil de processos judiciais e, ao mesmo tempo, garantir aos técnicos do Instituto Geral de Perícias (IGP) maior dedicação nas perícias de casos complexos. A iniciativa é pioneira no Brasil.

Atualmente, são realizados cerca de 18 mil laudos pelo IGP por ano em casos de crimes de menor potencial ofensivo. Com o convênio, as forças policiais passarão a contar com um kit que permitirá a realização do teste toxicológico no local da apreensão. Dessa forma, será possível constatar imediatamente, com o uso de reagentes químicos, se a substância apreendida trata-se ou não de droga ilícita como maconha, cocaína, crack ou skank. Em casos positivos, a substância ficará na cor azul. Quando não for constatada a presença da droga, o material fica rosa. O procedimento é semelhante ao que já ocorre nos principais aeroportos do mundo.

Na avaliação do governador, a iniciativa é uma sinalização robusta de união de todas as forças institucionais em busca de um bem comum: o aumento da eficiência na prestação de serviços à população. Em seu discurso na solenidade, Moisés reiterou o compromisso de empoderamento dos agentes públicos e agradeceu os diferentes órgãos, que se despiram de vaidades para ajudar o Estado a alcançar um status de excelência no setor.

Período de treinamento

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Araújo Gomes, que também acumula o cargo de secretário da Segurança Pública, afirmou que as forças policiais passarão por um treinamento para manusear os kits e a prática deve ser estar 100% operacional até o fim de fevereiro. Os kits estarão disponíveis para as 295 cidades do Estado, com base de reposição.

O delegado-geral Paulo Koerich, por sua vez, destacou que a maior celeridade nos processos ajudará não somente o IGP, mas também os policiais, que poderão se dedicar a casos de maior relevância.

Informações adicionais para a imprensa

Leonardo Gorges

Foto: Maurício Vieira/Secom

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *