Geral

Conhecendo os Caminhos do Lixo para preservar o meio ambiente

“Esta prática é uma forma de sensibilizar estudantes, acadêmicos e professores para a educação ambiental.”- Sílvia Oliveira

Estudantes dos cursos de Técnico em Saneamento (Cedup Renato Ramos da Silva) e de mestrado em Ambiente e Saúde (Uniplac), além de acadêmicos do CAV/Udesc e professores da rede estadual de ensino participaram, na tarde de quinta-feira (27 de setembro), de atividades relacionadas ao projeto “Conhecendo os Caminhos do Lixo” desenvolvido pela Prefeitura de Lages, através da Diretoria de Educação Ambiental. A coordenação dos trabalhos ficou por conta da diretora de Educação Ambiental, da Secretaria Municipal de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Sílvia Oliveira. “O objetivo deste projeto não é apenas o conhecimento acerca de como o lixo urbano é gerado, reciclado e depositado no aterro sanitário. Ele vai mais além, pois busca envolver os estudantes e professores em um ambiente de pesquisa e desenvolvimento de projetos voltados à preservação do meio ambiente”, argumenta Sílvia Oliveira.

O grupo de estudantes foi guiado e orientado pela diretora em visitação à Cooperativa de Trabalho dos Catadores de Materiais Recicláveis de Lages (Cooperlages), localizado no bairro São Miguel, ao aterro sanitário, no distrito de Índios, e ao campus do CAV/Udesc, onde houve aula prática de mini compostagem de resíduos sólidos. “Esta prática é uma forma de sensibilizar estudantes, acadêmicos e professores para a educação ambiental”, destaca Sílvia.

Ela afirmou que a prefeitura disponibiliza também caixas de madeira e recipientes plásticos como suporte para projetos ambientais. São materiais fabricados de acordo com a necessidade de coleta de materiais recicláveis, destacando-se o óleo de cozinha e todo tipo de lixo sólido. “Esses recipientes são chamados de Locais de Entrega Voluntária (LEVs). Já existem cerca de dez LEVs instalados, onde as pessoas podem depositar os recicláveis que saem de suas casas, de estabelecimentos comerciais ou de prestação de serviços”, explica a diretora.

Entrega Voluntária

A Uniplac já conta com um LEVe logo o Cedup de Lages também terá um LEV, onde a entrega voluntária do lixo reciclável poderá ser feita. Porém, segundo foi explicado, as pessoas também podem levar materiais recicláveis, dentre os quais vidro, diretamente à Cooperativa de Recicláveis, no bairro São Miguel.

A presidente da Cooperativa, Neuzita dos Anjos, salienta aos visitantes que, “aquilo que é lixo para vocês, é o nosso ganha-pão, o nosso salário”. Segundo ela, hoje a Cooperativa tem capacidade para percorrer apenas dez bairros de Lages, com o trabalho de coleta de recicláveis. “As pessoas precisam saber que não podemos estar em todas as áreas da cidade. Elas têm que colaborar, fazendo a entrega voluntária do lixo sólido, ou então separando o lixo em casa e entregando aos catadores ambulantes. O que não pode acontecer é que recicláveis acabem indo para o aterro sanitário. Lá é lugar de lixo orgânico”, alerta Neuzita. Das 60 toneladas de recicláveis que chegam à Cooperativa a cada mês, o aproveitamento fica em torno de 30 a 40% (quantidade de material aproveitado para a venda).

Para o estudante Alexandre Ribeiro, do curso de mestrado da Uniplac, “o que se vê na Cooperativa de Recicláveis não é apenas o trabalho de separação de materiais com valor comercial. Ali se nota também que os recicladores têm uma conscientização ambiental muito forte. São pessoas que aprenderam no dia a dia a importância da reciclagem como caminho para a preservação ambiental do nosso planeta”. A separação correta de tudo aquilo que é considerado lixo, a partir das casas e estabelecimentos comerciais, influenciará consideravelmente no nível de reaproveitamento dos materiais que chegam até a Cooperativa de Recicláveis.

 

Aterro sanitário

Projetado para ter uma vida útil de 25 anos, o aterro sanitário de Lages poderá estar com sua capacidade esgotada em um período de 20 anos. Isto pode ocorrer, segundo Sílvia Oliveira, devido ao local estar sendo usado também como depósito de recicláveis, os quais ocupam mais espaço. Neste aterro são depositadas 140 toneladas de lixo por dia.

Foto: Marcelo Pakinha

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *